Diagram

Em Diagram, Ricardo Pistola apresenta um conjunto de pinturas cuja ideia fulcral é o espaço geográfico.

O espaço geográfico, construído e transformado pelo Homem, comporta uma dimensão espacial do social que nos leva a pensar o espaço através dos elementos naturais e artificiais que o constituem. Isto permite pensar a relação entre o espaço e o tempo, atendendo à lógica filosófica que sugere que o espaço se acumula através dos acontecimentos.

Esta relação entre o espaço e o tempo poderá ser explorada pela diferença entre lugar e espaço, podendo ser entendida como uma variação de tempo e vivências, uma sugestão de percurso que se baseia na incerteza da existência de princípio ou fim, pelo menos no que diz respeito a este acontecimento.

E tornando possível abordar o espaço arquitectónico, configurado através da construção, permitindo a reflexão sobre questões como a utilidade, a beleza, a solidez – e os seus significados culturais, psicológicos e emocionais.

A construção destes diagramas, num plano bidimensional, permite uma aproximação ao espaço virtual, revelando sempre uma ilusão: a representação de um espaço cujo acesso físico nos é negado pelo objecto bidimensional.

Partindo desta concepção de espaço, usando a construção de diagramas espaciais, remete-nos para enunciados cartográficos. Nos quais os elementos geométricos, usados de uma forma intuitiva, nos sugerem uma “realidade” que se pode definir entre o diagrama, a paisagem e o espaço virtual.